quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Manuais de Educação Social

Recorrendo ao chavão e à frase feita que são imagem de marca do blog, inicio esta dissertação (admitindo já que chamar a isto dissertação pode ser optimismo a mais) plagiando um autor desconhecido: "um homem só é completo depois de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro" por a considerar errónea no sentido verbal de uma das suas premissas. Que me recorde ainda não cumpri nenhum dos requisitos mínimos para ser homem, (conquanto fisicamente os cumpra na plenitude ah ah ah ah... ok, continuo a abusar do optimismo) e mesmo tendo em conta que sou gajo para ter faltado a muitas visitas de estudo do Dia da Árvore, revejo-me na lógica sustentável de ter que plantar uma árvore para mais tarde poder escrever um livro... planta-se o arbusto, passado uns anos afinfa-se-lhe a lâmina da motoserra, derrete-se aquilo tudo em celulose e faz-se o papel para imprimir os nossos desconcertantes pensamentos... diminui-se a pegada ecológica e aumenta-se a pegada sem lógica... em tamanhos de sapato quase fernando-aguiarescos.

Onde a minha concordância com a expressão emperra mais do que um sprint do Kardec, é na parte de se ter que escrever um livro para se ser um homem feito (sem conotações cosa nostreiras, se bem que neste caso também facilita escrever um livro... com o nome dos indivíduos que foram deixados a tomar banho no fundo do rio, envergando apenas uma manilha em betão a tapar as partes pudibundas), apenas porque não tendo eu escrito algo que se assemelhe com os ditos, nem ter perspectivas de algum dia o vir a fazer, senti-me um pouco mais homem há coisa de 2 semanas, quando comprei uma obra prima para mim. Admito que quem a escreveu se sinta um homenzarão do camandro, mas eu no fundo da minha lagártica ambição, contento-me com o leve odor de masculinidade impressa na auto-oferta de um livro, que na verdade é mais que isso... é um manual sobre "Como Ser Um Ser Humano Realmente Decente Em Vez De Ser Um Idiota Extremamente Abandalhado", é um conjunto de páginas que faz mais pela educação social do que 100 exemplares da "Cartilha Maternal"... falo, obviamente do "Almanaque do Benfica", que dentro da minha mini biblioteca de leitura Glorificante, é o único livro que não me foi oferecido.

É portanto, partindo do pressuposto que todos vós precisais de vos auto-oferecer um livro para que se tornem homens feitos (interpretando já o "homens" com um cariz mais de espécie animal do que de género sexual) e visto faltar pouco menos de 1 mês para as comemorações do Natal Eusebiano que vos deixo aqui gratuitamente, a pequena lista de livros Gloriosos que possuo, como forma de sugestão para vossa futura compra:

1. "Benfica O Voo da Águia" - bestial resenha sobre a temporada 88/89 que culminou com mais um campeonato para o lado dos bons e que inclui breves trechos sobre a história do clube e um muito inspirador capítulo sobre "Estórias da História do Benfica" saído da pena do Sr. Carlos Pinhão. Importante também o capitulo biográfico sobre Vata Matanu Garcia, melhor marcador da época em questão, no qual se fica a saber que o seu ídolo é Ghislão Lufemba Luke, seu ex. colega no varzim e candidato ao título "Mas Que Raio Pretendiam os Teus Pais Dizer Quando Te Registaram?".

2. "Benfica 90 Anos de Glória" - um livro que é acima de tudo uma tremenda premonição... historia a história Gloriosa do Glorioso até 1994... a partir daqui tudo descambou aparvatadamente. Tem tudo o que é imprescindível a um Benfiquismo fanático: a história, os estádios, os jogadores, os jogos, os presidentes e até o manuel damásio. Como qualquer livro do SLB que se preze, tem um capitulo só para o Eusébio... o "Missão Benfica" tem? Lá está, todos os livros sobre o SLB que se prezem, têm um capitulo sobre a vida do Eusébio... Menção honrosa também, para um capitulo sobre as claques do SLB e para o Orfeão do Benfica... tudo coisas que cantam pelo Benfica.

3. "Eusébio Pantera Negra" - se todos os livros sobre o Benfica que se prezem têm um capitulo sobre o Eusébio, este é o supra sumo do livro benfiquista. Todo ele é Pantera Negra... em modo Uderzo & Goscinny... mais Astérix que Obélix. Tem a vantagem de vir acompanhado por uma cassete VHS (talvez já tenha DVD) o que pode ser bastante útil para analfabetos e recém nascidos... à atenção dos papás mais inexperientes... 12 horas disto por dia fazem mais pela saúde dos vossos bebés do que 3 caixas de Ben Hu Ron. Estranhamente em nenhum dos quadradinhos o Rei aparece a namoriscar um copo de whisky...

4. "O Futebol é Isto Mesmo... ou então outra coisa completamente diferente" - a estreia de RAP e Miguel Góis no que a livros Gloriosos diz respeito, fez-se sob o roncar tresmalhado do taxi preto e verde do Zé Manel taxista, personagem de ficção criado em circunstâncias muito aprticulares, quando vale e azevedo foi a um programa do Herman José, onde também compareceu Eusébio. O livro é todo ele uma sátira à estremunhosa temporada de 00/01 em que obtivemos o brilhante 6º lugar (um sonho vago para a actualidade lagarta) compilando textos publicados no jornal abola. Para os que não viveram esses dias de trevas, saibam que a Crónica do Zé Manel era a única coisa que animava o mundo benfiquista por essa altura.

5. "A Chama Imensa" - mais compilações de textos do RAP no abola (o RAP é especialista a compilar... tudo o que faz compila... escreve uns textos e depois compila, compila, compila que nem um cocainómano). Desta feita a coisa pia mais grosso e o espectro cronológico abarca a época do Quique Flores e as duas primeiras do Jesus, portanto de um livro sobre um 6º lugar, passamos para 2 Taças da Liga e 1 Campeonato... sempre a subir menino Ricardo, sempre a subir. Talvez melhor do que as crónicas desportivas, sejam as picardias com miguel sousa tavares e o "se falam das escutas meto-me já a andar porque não tenho como negar a existência das mesmas".

6. "Alegrias e Tristezas de um Benfiquista" - livro de António Pedro-Vasconcelos que só é sobre o SLB durante 1 capitulo e no entanto teve direito ao título e a uma águia na capa. É também todo ele uma compilação de textos publicados em jornais e tem como ponto alto os textos do sôr António a adivinhar o descalabro que viria com o poeta tripeiro a treinar o Glorioso. De resto a trama gira em volta da selecção e do futebol mundial, tornando óbvio que um livro de futebol, por muito bom que seja, só vende se o título versar em volta do Máiór do Mundo.

7. "Almanaque do Benfica" - o sonho dos estatísticos. Todos os jogos, todos os jogadores, todos os marcadores, todos os capitães, todas as cabazadas nos lagartos e tripeiros e alguns pormenores deliciosos, como por exemplo aquele derby que ganhamos no estádio do ex.rival por falta de comparência lagarta pois acharam que os nossos briosos atletas não eram dignos de pisar o descampado deles, que é mais ou menos o que apetece fazer agora, mas ao contrário... o SLB devia fazer falta de comparência à próxima visita a alvalade pois o quintal verde não é digno de receber a classe dos nossos bravos atletas.

2 comentários:

Fake Blood disse...

Pá, mas não tens o "Sport Lisboa e Benfica - A História, os Triunfos e as Imagens de todos os Tempos" que veio com o DN em 2000.

Isto é tipo, teres o corpo todo de um homem, mas depois falta-te a pila...

Constantino disse...

"Que veio com o DN"? Só leio jornais desportivos e correio da manha... mais uma vez sou atirado para canto por não ser culto!!!

Abraço