segunda-feira, 4 de junho de 2012

Hans Jürgen ou a diferença entre trema e tremer

É definitivamente errado dizer que "recordar é viver", porque na maior parte das vezes somos compelidos a recordar o bom por estarmos a ser presenteados com o mau. Recordar não é só viver, é até capaz de ser mais sofrer. Porque só perdemos tempo a ir lá atrás buscar as memórias quando a coisa corre de tal forma mal que gostávamos de estar longe do presente. Não sou gajo para me convencer facilmente que o Verão de 1962 foi passado pelos Benfiquistas a recordar a epopeia Europeia de 61. Catanos, naquele Verão 80% dos Gloriosos adeptos era bem capaz de se ter esquecido que há um ano atrás tínhamos varrido a Taça doa Campeões Europeus, pela simples razão de que há meia dúzia de semanas atrás... a tínhamos empochado outra vez, mas de forma mais estrepitante, ouso até dizer, da forma perfeita: goleada no campo e invasão pacífica do mesmo... isto apesar do Ângelo ter dito que foi atropelado pela turba, versão que só engana os que nunca o viram jogar, pois esses sabem perfeitamente que ele é que deve ter atropelado vinte e tal gajos a caminho do balneário.

Sabendo que é nos momentos de dor que nos agarramos à memória, hoje dei por mim a pensar em Schwartz, contrapondo-o na minha cabecinha alembradeira, ao verdadeiro desvario que foi a lateral esquerda do Glorioso, não só na época finda, mas também em grande parte do séc. XXI, aproveitando eu para fazer aqui a pequena ressalva para dizer que quem vier afirmar que o Leo era um lateral esquerdo do camandro deve pensar sempre que a principal função do defesa-esquerdo está implícita na primeira palavra da expressão definidora da posição que o rapaz ocupa no relvado. No caso do Leo, estávamos perante um excelente hífen esquerdo, mas de defesa ele pouco ou nada tinha. Portanto, somos obrigados a voltar ao sueco aportuguesado.

Cometendo o risco de poder estar a ser herege, tenho para mim que Stefan Schwarz foi o melhor defesa esquerdo que vi subir à relva da Luz com a nossa camisola. Volto a afirmar ser moço novo, pelo que me recordo (de cabeça) do Álvaro, Fonseca, Schwarz, fernando mendes, kenedy, dimas, aquelas aberrações dos 90's, Minto, Cristiano, Fyssas, Dos Santos, Leo, badameco, Emerson e adaptações do quilate de Rocha e Luiz. Olhando este panorama e dando de barato que não me esqueci de muitos, parece-me que a questão da heresia só pode ser levantada no caso do Álvaro e talvez no badameco. Mas por muito que Álvaro tivesse seis dedos numa mão ou o badameco quisesse ter o cabelo do Schwatz, nenhum deles apresentava o que o sueco aportava ao Glorioso.

Primeiramente era um gajo cujos nomes próprios eram "Hans Jürgen" (com trema sobre o u)... Hans Jürgen é merda para fazer tremer o speaker de serviço, porque nem Jürgen Kohler ou Jürgen Klinnsman eram "Hans Jürgen"... e Schwatz também deixou de ser em Portugal e passou a ser um muito politicamente correcto "Stefan"... até porque chegou a Portugal na mesma altura em que muitos emigrantes portugueses passavam cá as férias veraneias e "Shtéfán" (favor ler com sotaque Beirão) era o nome de puto "avec" mais conhecido por esses areais de praia fora. Depois o Hans era loiro, alto e branco como a cal, o que dava sempre a sensação de andar em campo apenas envergando camisola e meias vermelhas, bem como umas setas vermelhas da Hummel nas coxas das pernas. Só com zoom se lhe identificavam os calções a tapar as partes pudibundas. Por fim, o lateral esquerdo era sueco e meus amigos, se Pringle tem chegado ao SLB no final dos 80's e inicio dos 90's, tinha sucesso sem dar um pontapé na bola... bastava vir vestido de azul e amarelo. 

Mas Schwartz dentro do campo era mais do que uma coqueluche de nome poderoso, cor de pele pálida e naturalidade benzida pela Glória. A melhor forma de definir o rapaz é dizer que foi o principal responsável pela degradação da relva da Catedral. Quando no final do último jogo da Catedral, SLB - santa clara, o jornal record andou a cortar tufos de relva para entregar como brinde no jornal do dia seguinte, fê-lo atrás de uma baliza porque todo o resto do relvado estava consumido pelas chuteiras suecas... e por esta altura ele já havia deixado a Luz há uns anos valentes. Schwartz foi, com toda a certeza o jogador sueco filho de pai alemão a jogar em Portugal mais uruguaio de sempre. Era gajo que daria o toque de debandada duma bancada inteira no Estádio Monumental em Montevideo. O encarniçamento deste rapaz a jogar era de tal forma apavorante que em Highbury Park preferiram coloca-lo como trinco, onde também fizera umas jogatanas no SLB, para que ele não aleijasse nenhum adepto arsenalista... ou pelo menos, que não aleijasse nenhum adepto arsenalista outra vez, porque aquilo ainda havia gente com o ventriculo esquerdo todo apanhadinho dos 1-3 que haviam levado 3 anos antes com o rapaz a soltar fogo no centro do terreno.

Mas do Schwartz, a grande imagem que eu sempre guardarei, é na realidade uma imagem de duas faces... dois golos. Um numa eliminatória com o cska sófia na Luz em 93/94, em que eu me lembro de chegar a casa da escola, ligar a TV com 2-1 no marcador e passados 2 ou 3 minutos um yuran ainda mal recuperado da bezana da noite anterior, assiste Schwarz para uma bomba no ângulo... ou como diria Gabriel Alves "na gaveta". A outra imagem que tenho foi num SLB - boavista cuja transmissão em directo tenho ideia de ter começado para ai a uns 20/30 minutos do fim (será que foi possível isto acontecer ou fui eu que sonhei?) onde ele faz também um golão, penso que da quina da área a colocar a bola ao segundo poste. 

É certo que um defesa-esquerdo deve-se distinguir pelo que defende, mas quem escancarava redes com aquela Alma tinha que ser bom defensor. E repito, ir buscar memórias de como deve ser um defesa esquerdo, apenas comprova que ando a sofrer muito com este assunto em particular... é que já pesquisei na web e nem Luisinho, nem Rojo, nem Siqueira nem Ansaldi têm como nome próprio Hans Jürgen... apesar de neste momento eu até já me contentar só com um nome que incluísse trema... isto claro, para contrariar o meu estranho hábito de começar a tremer dos olhos de cada vez que a bola circunda o nosso lado esquerdo defensivo... terá Emerson despoletado em mim Parkinson ocular?

10 comentários:

M. disse...

Constantino: epá... obrigado.
O Schwartz foi o número 10 (literalmente. Tinha o 10 nas costas, porque o Rui Costa estava no banco. Jogou a médio esquerdo) no 3-6 em Alvalade, o que não é despiciendo (adoro esta palavra).

Quanto a esse golaço: meu caro...anos e anos depois, foste apanhado a prevaricar. Não quero levantar a lebre, mas eu sei que estás a falar de um Benfica- Boavista que deu na RTP ao mesmo tempo de um Sporting - Porto (na SIC), o que na altura foi um "happening". Portanto, sem querer sugerir nada, quer-me parecer que foste ao televisor mudar para a SIC (se também, como eu, viste o jogo em casa da tua avó, que não tinha comando para o televisor) muito tarde, ou quê? Só para a cusação não ser em vão: vi esse jogo com o meu pai e dois andrades na casa da minha avó, onde passámos férias. Acho que fui à TV umas 72 vezes mudar de canal.

Constantino disse...

M.,

Estive agora a investigar a coisa e tu és capaz de estar bastante correcto, porque os jogos foram realmente no mesmo dia 30/10/92. A minha dúvida surge apenas do facto de a SIC ter sido inaugurada em outubro de 92 e eu ter a impressão de que ainda levou 2 ou 3 meses até a sua transmissão ter chegado ao Algarve (tal como a TVI)... isto claro, partindo do principio de que não foi no Algarve que viste o jogo, senão a minha desculpa esfarrapa-se já aqui toda.

Eu tenho ideia de este SLB - boavista ter sido disputado à tarde pelo que o que é capaz de ter acontecido, partindo do principio que estás correcto e o jogo deu em directo, foi que na altura só havia 1 televisão em casa e, sendo fim de semana, os meus pais estavam em posse da coisa. Visto serem ambos pouco dados a futebóis, sou capaz de ter só visto o final porque deve ter coincidido com o final de algum programa "para velhos" na rtp1 (partindo do principio de que naquela altura a bola dava quase smepre na rtp2).

De qualquer forma, que seja a ultima vez que vens aqui ao meu blog corrigir-me e humilhar-me ah ah.

Grande Abraço.

Emersão disse...

Nessa lista falta o melhor deles todos desde o Schwartz: Coentros.

Constantino disse...

Emersão,

Está lá... "descobre-li-o".

Abraço

Emersão disse...

Badameco + Cabelo à Schwartz: check.
Sempre tive dificuldade de interpretação. Pode ser que seja suficiente para chegar a treinador do SLB.

Abraço

Pedro disse...

se bem me lembro os jogos deram na rtp 1 e 2 e cá em casa alguém teve a brilhante ideia de pôr 2 tv´s lado a lado, devia ser importante alguém perder???
resultado só vimos a segunda parte quando alguém teve o bom senso de desligar uma tv

relembrar Schwatz é relembrar que em 90 por esta altura havia uma especie de treino do GLORIOSO prós lados de Italia

Mr. Shankly disse...

Eh pá, lembro-me desses dois jogos, e no segundo fiz o mesmo que o Pedro.
Quanto à tua opinião, acho que o Schwarz foi um grande defesa-esquerdo, mas melhor médio. E acho o Coentrão melhor. Mas a verdade é que o Coentrão fez só duas épocas e o Schwarz marcou uma época. Por isso, sim, a dúvida é entre o sueco e o Álvaro, que era um trapalhão de todo o tamanho com uma alma insuperável.

Anónimo disse...

E o Escalona pá? O Escalona???

B Cool disse...

Eu sou fã do calhau (6 dedos), pois fazia uma dupla com o pequeno genial verdadeiramente demolidora.

PeLiFe disse...

Caro Constantino,

Eu, portista, sempre gostei bastante do Dimas. Mas os benfiquistas que conheço nunca foram grandes fãs. Nunca percebi porquê.

Tirando esses dois, claramente acima da média e sendo o Schwarz de topo, o Dimas vem muito acima do resto. Tirando o badameco, claro. Esse está lá em cima com o Schwarz.

Ao nível desses senhores tivemos lá o Inácio, o Branco, o Rui Jorge, o Nuno Valente e o Álvaro Pereira.

OK, admito que o Valente é mais um Álvaro6d e que o Rui Jorge e o Inácio estão apenas alguns furos acima destes.

Mas o Branco..esse está lá no alto.
Com o Álvaro bem lá perto, apesar da época final no Porto ter sido muito fraco. Mas foi falta de vontade não de talento.

Aproveito para o convidar para visitar o blogue que criei e deixar o seu comentário.

Obrigado.
PeLiFe
BASEL84.BLOGSPOT.PT